segunda-feira, novembro 01, 2010

Alexandre O'Neill

5 poemas, aqui.

5 comentários:

Manuel Nunes disse...

Com esta imagem, pensei que nos remetesse para:

"O CICLISTA

O homem que pedala, que ped´alma
com o passado a tiracolo,
ao ar vivaz abre as narinas:
tem o por vir na pedaleira."

(POEMAS COM ENDEREÇO, 1962)

Mas tudo bem. Venham mais cinco.

Vieira Calado disse...

Começou como neo-realista

e acabou tocando as raias do surrealismo.

Um poeta que muito admiro.

Forte abraço

RAA disse...

O surrealismo em Portugal foi uma refrescante forma de combate ao pardacismo salazariano (!), diferente daquela pesada ortodoxia neo-realista, que só não era asfixiante nos melhores.

Mónica disse...

nada por acaso, q isto de ser surrealista n é para qq

RAA disse...

só os melhores, como em tudo