segunda-feira, dezembro 11, 2017

domingo, dezembro 10, 2017

criador & criatura


Raymond Macherot e Clorophylle (Clorofila)


quinta-feira, dezembro 07, 2017

estampa CCLXXVII - Manuel Benedito


Cooperação Estruturada Permanente -- pescamos pouco disto, mas não devíamos

A PESCO, ou Cooperação Estruturada Permanente, em burocratês europeu. No descaso geral, e o que parece ser um amadorismo (ou leviandade) preocupante do governo e o voluntarismo do PR em fazer parte do pelotão da frente na constituição de um exército europeu em embrião, levanta as maiores dúvidas e preocupações.
Portugal -- que daqui a onze anos completará nove séculos de existência (Batalha de São Mamede, 1128) -- tem, no que respeita à política externa, três esteios a que não pode e/ou não deve fugir: a Geografia, a História e a Cultura.
Na Geografia, somos um país europeu de fachada atlântica e influência mediterrânica, e o estado no Velho Continente com as fronteiras definidas há mais tempo. As nossas prioridades e os nossos interesses geopolíticos permanentes (e aqui, à Geografia soma-se a História) serão sempre os nossos vizinhos: Espanha e Estados Unidos da América (e, por extensão, a Inglaterra), a Bacia do Mediterrâneo, em particular Marrocos, o Brasil e África de expressão portuguesa. Finalmente, por coerência cultural e opção civilizacional, pertencemos a um vasto complexo político e institucional que dá pelo nome de União Europeia, que tendo as suas implicações, não deve comprometer os vectores de política externa referidos.
Ora para quem como eu, foi e é, um defensor da União Europeia e do seu aprofundamento confederal, já não pode encarar com a mesma inocência de outrora, desde a crise das dívidas soberanas e do comportamento da Alemanha (pela acção) e da França ou da Itália (pela inacção), os riscos de construir mais uma vez pelo telhado um edifício de defesa comum sem garantias institucionais que têm de passar por patamares de poder e decisão de configuração confederal. 
A história recente tem mostrado que na política da UE  tem prevalecido a lei do mais forte, e por isso corremos o risco de sermos arrastados para conflitos em que os interesses não são os nossos, como sucedeu na Ucrânia, uma fraude arranjada pela Alemanha e amigos próximos, e na qual a Rússia mostrou não estar pelos ajustes -- e bem, do seu ponto de vista, e já agora do meu também.
Portugal, país europeu de dimensão média, tem, pois, a espessura de uma longa História e de uma forte identidade, e deve agir de acordo com ela. Que um assunto desta magnitude esteja a ser tratado politicamente em cima do joelho, isso sim, é um erro histórico.   

quarta-feira, dezembro 06, 2017

50 discos: 39. PERMANENT WAVES (1980) - #5 «Different Strings»



"Como és belo, meu Portugal"*

Não se admirem, por favor; quanto aos Painéis, quando Joaquim de Vasconcelos, na companhia de Ramalho Ortigão, deu com a obra de Nuno Gonçalves, em S. Vicente de Fora (que haviam já sido assinalados pelo monsenhor Elviro dos Santos), aqueles foram salvos de servirem como tábuas para andaimes, ou coisa que o valha. O Forte de Santo António, nem é tanto por lá ter caído o velho Botas, mas a memória da Restauração e da independência nacional que representa a quase totalidade das fortificações marítimas, mandadas erigir por D. João IV, para prevenir uma invasão espanhola, semelhante à do Duque de Alba, em 1580 -- função simétrica, aliás, às dos castelos da raia.
Coisas que não interessam nada a quase ninguém. É o tal défice de que falava Costa.



(* Luís Cília)

terça-feira, dezembro 05, 2017

segunda-feira, dezembro 04, 2017

o défice de conhecimento

Tenho escrito, recorrentemente, que o atraso português -- que só começou a ser invertido há pouco mais de quarenta anos, com o 25 de Abril --, serve ainda de explicação para a ausência de massa crítica que caracteriza uma boa parte da nossa comunidade. E não chega culpar o Salazar; este herdou o país que herdou: despovoamento e exaurimento populacional do território com a aventura da Expansão e Descobrimentos, Inquisição, invasões napoleónicas que desestruturaram o país, uma guerra civil sangrenta, a substituição dum corpo dirigente imobilista por um conjunto de arrivistas e devoristas, que viram chegar a sua vez de se saciar com a nação e os seus bens. Salazar é culpado, sim, não tanto por ser um produto genuinamente nacional de conservantismo, mas por ter afinado uma sociedade policiada (a pide, sim a pide, e os milhares de informadores que ainda se cruzam connosco na rua, ou existiram nas nossas famílias, amigos ou vizinhos), com o objectivo primeiro de se conservar no poder. Ao fim de quarenta anos, os indicadores civilizacionais melhoraram, pudera, mas, em 1974, não deixavam de nos envergonhar a todos. Isso explica, em boa parte, a consabida pobreza das elites no presente, e não apenas políticas. António Costa está, por isso, cheio de razão, 43 anos após a Revolução, ao identificar o nosso principal défice . A seguir a 1974, houve que democratizar o ensino, como todos os custos de nivelamento por baixo que tal implicou; o que importa no presente é continuar a elevar o nível da escola pública e, acima de tudo, o sentido crítico. Com uma filha no 9.º ano, o último do chamado Ensino Básico, vejo um programa bem nutrido nas ciências e indigente no Português e na História, e temo que vá piorar no secundário, a exemplo do que sucedeu com os seus irmãos, com a secundarização das Humanidades. O melhor que uma escola pode dar aos seus alunos é ensinar a pensar e, como ontem disse o PM, a gostar de aprender. Mas isso só será possível com professores que saibam pensar e gostem de aprender, para além de ensinar. Ainda estamos mal, nisso.   

estampa CCLXXV - Kazimir Malevich


Estudo para Retrato de Camponês

terça-feira, novembro 28, 2017

domingo, novembro 26, 2017

no LEFFest #17

Heaven's Gate, de Michael Cimino (EUA, 1980). «Homenagem -- Isabelle Huppert». Um épico para finalizar o LEFFest, que é também uma celebração do cinema; episódio(s) da construção da América, feita a ferro e fogo.

estampa CCLXXIII - Iosif Oder


Odalisca