terça-feira, julho 17, 2018

criadores & criaturas


Jean-Michel Charlier, Albert Uderzo e Tanguy et Laverdure


segunda-feira, julho 16, 2018

«Supervixen»

ainda os Descobrimentos: os historiadores, os activistas e os outros

Só historiadores dum tempo relativamente longo e complexo, que compreende os séculos XIV, XV e XVI, estão habilitados a aspirar ver todo o quadro em que se processou a navegação e conquista dos portugueses, ou seja o que designamos por Descobrimentos e Expansão; são os que põem as mãos na massa dos arquivos, dos documentos, dos livros quem tem em cima da mesa as questões políticas, económicas, sociais, culturais, mentais, científicas, geopolíticas, e por aí fora. O resto é opinião.

Sobre a questão interessa-me saber o que pensa, por exemplo, Luís Filipe Thomaz (não sei se já se pronunciou sobre o assunto); já o que defende Fernando Rosas (que, aliás, fez um extraordinário programa sobre o colonialismo português, que elogiei aqui), é, para o caso, irrelevante.

Uma das tácticas dos activistas consiste em amalgamar os que se opõem ou manifestam reservas à eliminação da palavra Descobrimentos naquele período histórico como um conjunto de indivíduos que têm uma visão glorificadora da História. Daí à sugestão subliminar de nacionalismo ou protofascismo vai um passo. Ora bem, é preciso desmontar essa vigarice intelectual

A historiografia não se compadece com activismo, para o qual, o rigor é um detalhe. Por isso a embrulhada a que recorrem, uns propositadamente, outros por psitacismo, trazendo à liça o império colonial e outros anacronismos e distorções.

No fundo, trata-se de um debate desigual: por um lado, os que pensam a História; do outro, as palavras-de-ordem, a ideologia, as estruturas mentais semelhantes àqueles que procuram censurar ou reescrever os livros do Mark Twain, nos Estados Unidos, ou do Monteiro Lobato, no Brasil. Em suma, o politicamente correcto, designação que tanto os irrita.

(Acrescentando ao que já escrevi):

sábado, julho 14, 2018

12 sinfonias: 6. Bruckner Sinfonia #4 (1874) - 1. Bewegt, nicht zu schnell

«Para o fim do Verão daquele ano vivíamos numa aldeia que, para lá do rio e das planície, confrontava as montanhas.» Ernest Hemingway, O Adeus às Armas (1929) (trad. Adolfo Casais Monteiro)

«Era um prazer muito especial ver as coisas arderem, vê-las calcinar-se e mudar.» Ray Bradbury, Fahrenheit 451 (1953) (trad. Mário-Henrique Leiria)

«Uma história não tem princípio ou fim: escolhemos arbitrariamente um momento da experiência, de onde olhar para trás, ou olhar para diante.» Graham Greene, O Fim da Aventura (1951) (trad. Jorge de Sena)

sexta-feira, julho 13, 2018

estampa CCCXXII - Ferdinand Hodler


Auto-Retrato (1891)

«Blueberry Hill»

ela tem o toque

O David Byrne pertence àquela estirpe de músicos que não anda cá para ver passar os comboios. E ontem viu-se, talvez até alguns dos que andavam por lá em maré de nostalgias. Ele e mais uma dúzia de instrumentistas extraordinários fizeram um concerto memorável, com um espectáculo de palco contido na parafernália luminotécnica, porém de assinalável mestria; bastava a energia exuberante de cada um dos elementos em palco, a começar por Byrne, nos seus 65.
Muito mais nova é, Sara Tavares, mas com tanto já dito e feito. A música dela é a sério


À chegada, porém, a verdadeira surpresa: Jéssica Pina. Na trompete ou no fliscórnio, ela tem o toque.



E um grande obrigado ao Observador pela foto, minha e da Teresa, a acompanhar a Jéssica Pina:


quinta-feira, julho 12, 2018

terça-feira, julho 10, 2018

segunda-feira, julho 09, 2018

sexta-feira, julho 06, 2018