segunda-feira, fevereiro 13, 2017

Só se António Costa fosse parvo (inexiste-me pachorra para esta politicalha de merda)

é que retiraria a confiança a Mário Centeno. 
O país já esteve quatro anos nas mãos destes terroristas: as nulidades do PSD e os papa-hóstias do CDS. Para conseguirem o poder, são capazes de tudo (o chumbo do PEC IV é só o exemplo mais saliente). Não passam duns vulgares impostores, duns vendedores de banha-da-cobra, de criaturas sem escrúpulos. Enojam-me profundamente.
Mais este episódio criado pelas luminárias do PSD com os vendedores da farturas da primeira fila do grupo parlamentar no papel cães-de-fila, António Costa seria um rematado parvo se viesse a dar confiança a estes energúmenos da direita.
Por outro lado, episódios como este são de grande utilidade para desmascará-los, se disso houvesse necessidade. Mostra como é imprescindível um entendimento reforçado a toda a esquerda, a da Geringonça e a que dela ainda não faz parte, A força política que sabotar este entendimento, por cálculo político, sectarismo, o que seja, terá de ser apontada a dedo.

5 comentários:

Guia disse...

Este seu texto resume tudo o que eu poderia dizer sobre esta "estória" do imbróglio da nomeação de António Domingues e a isenção que ele queria...Já não perco mais tempo a ver /ouvir o tema...

Esta oposição está de rastos...mas como não estarem, se mantêm o Passos Coelho no "pódium"?!?....

Jaime Santos disse...

Por que será que neste caso assino tudo, mas mesmo tudo, por baixo ;-)?

victor sousa disse...

perfeitamente de acordo. E haverá muitos mais.

Ricardo António Alves disse...

Cuidado Jaime, que isso pega-se :)

Jaime Santos disse...

Eu sei, mas que se lixe (e eu não queria escrever lixe, mas o condicionamento ainda é forte demais ;-) )...