terça-feira, março 14, 2017

a Sr.ª PGR, o bandido Madoff, a cara de Sócrates após interrogatório

Joana Marques Vidal desabafou esta tarde que o caso Madoff levou oito anos a ser investigado. Pois, é verdade. Mas o que a sr.ª PGR não disse, foi que as autoridades n-americanas investigaram oito anos com discreta eficiência, e, chegados ao fim, prenderam e em seis meses julgaram e condenaram o bandido. Exactamente o contrário do que por cá fizeram com Sócrates. 

Se estavam tão convencidos da corrupção do ex-PM, tinham feito o trabalho, discretamente, meticulosamente, seriamente. Mas não, Houve quem quisesse mostrar-se, pôr-se em biquinhos dos pés, mostrar que era muita bom, tão bom que até prendia um PM. E os cidadãos que se houvessem.
Pela cara de Sócrates após o interrogatório, parece-me que vão espalhar-se ao comprido. O que significará, no fundo, que estiveram a trabalhar para o Correio da Manhã.

Repetindo-me: confiança na justiça, tenho zero, pois ainda estou bem recordado da miséria do caso Casa Pia, e de como à pala duns médicos, duns apresentadores, duns embaixadores que gostavam de desviar meninos pobres, foram usados (ou deixaram-se usar) para decapitarem a liderança mais à esquerda do PS. Foi a 'justiça' na lama. Ao mesmo tempo, o BPN, ligado ao PSD, afunda-se (talvez  até à prescrição. Não?...); já para não falar dos submarinos do CDS do Jacinto Leite Capelo Rego, com presos na Alemanha e na Grécia (corruptores e corrompidos).

Portantos, só não termino com uma asneirada das minhas, pois tenho em atenção que comecei este modesto post com o nome de uma senhora.

2 comentários:

Jaime Santos disse...

Eu, que como sabe sou cheio de rodriguinhos quanto ao uso de palavrões, tinha seguramente compreendido e aplaudido a sua atitude ;-). Porque aquilo que os agentes judiciais têm feito até agora tem estado ao nível da boa cloaca. Prendeu-se para investigar, humilhou-se, deixou-se que juízes armados em justiceiros viessem debitar banalidades e indiretas para a imprensa e assobia-se para o lado enquanto se viola impunemente o segredo de Justiça que é o mesmo que dizer, o princípio da legalidade processual, que é só o aspeto mais importante da administração da Justiça. Sócrates, mesmo que seja culpado como o pecado, terá toda a razão em queixar-se. Pode-se tirar a Liberdade a um Homem mas não a Dignidade e o processo decorrente não tem feito outra coisa senão isso.

Ricardo António Alves disse...

Há alturas em que temos de nos desrodriguizar :|