terça-feira, julho 05, 2016

No silêncio da Serra me suspendo, / Dos humanos agravos esquecido.
Frei Agostinho da Cruz

1 comentário:

Paula Lima disse...

E como precisamos!