sexta-feira, julho 21, 2017

Chester Bennington

Foi a minha filha mais velha, então teenager, quem mo apresentou, e gostei daquele som que misturava metal e hip-hop, e da raiva. Tanta raiva, que não me surpreendeu saber que fora sexualmente violentado aos sete anos. Em 2005 escrevi três linhas a propósito.
  «O som e a fúria. Há nos Linkin Park uma autenticidade que não me deixa indiferente. Aquela ira, aquele mal-estar, aqueles sintomas da sujidade endémica do nosso quotidiano.» 
Bennington enforcou-se  este quinta-feira, em casa.

4 comentários:

Jaime Santos disse...

Não sendo eu exatamente versado na música deles, creio que uma das mais conhecidas canções diz algures: 'leave behind some reasons to be missed'. Parece-me uma descrição adequada da pessoa, e isto só ao nível da sua arte, porque parece que deixou igualmente 6 filhos e sabe Deus a falta que eles estarão a sentir do Pai...

Ricardo António Alves disse...

É verdade...

maria franco disse...

Ninguém pode compreender.
Por vezes é muito difícil viver.
Muitas vezes me questiono se é preciso
ter mais coragem para viver, ou para acabar
com a vida. Não sei.

Ricardo António Alves disse...

Pois, o que sabemos nós, que não atravessámos essa linha?...