segunda-feira, abril 16, 2018

«Aquele que não conhece a doença / nem o progresso nem o desfecho dela / mal saberá que mal alumiado / poço de angústias é uma velha entrevada / disposta em cama de palha / que não lhe retarda -- antes fomenta -- / a podridão, // na esperança e no terror / de que tudo acabe em breve.» A. M. Pires Cabral, «Velha entrevada», Arado (2009)

«Na folha bailada / Levada / No vento, / Vai meu pensamento...» Cristovam Pavia, As Folhas de Posia Távola Redonda (1988)

«Mas teu passado, pastora, / que ali fora a pascer, / não se tinha ido embora: / inda esperava a sua hora / de volver...» David Mourão-Ferreira, «Écloga», A Secreta Viagem (1950)

Sem comentários: