segunda-feira, novembro 02, 2015

da necessidade de um Governo PS-PCP-BE

O PSD e o CDS podem utilizar-se dos sofismas que entendam, podem continuar a tentar enganar as pessoas com balelas analfabetas para amedrontar, métodos em que são useiros e vezeiros. Mas não podem fazer nada quanto à realidade, traduzida na implacável objectividade dos números: a maioria -- claríssima -- dos portugueses quis vê-los pelas costas.
A situação do país é a que é, pouco famosa; a situação internacional, UE incluída, é um pavor. Por isso, um  Governo resultante de um acordo entre os três partidos da esquerda, se o que pretende é não apenas varrer a direita do poder, mas reparar os estragos que essa mesma direita causou ao país, governando contra os portugueses, e recuperar alguma credibilidade internacional -- não, não é a vergonhosa postura acocorada diante dos mercados e da Europa, mas um Governo que se dê ao respeito --, um Governo assim terá, não apenas de estar fortalecido com um programa que tenha por base o acordo que será assinado, como ter o cabedal suficiente para fazer face à artilharia da direita, que, como se está a ver, não hesitará em fazer o que for preciso para regressar ao poder.
Claro que ela só terá força política se lha derem, de bandeja como muitos esperam, a começar pelos idiotas úteis no PS. Parece-me, pois, que será fundamental formar um Governo em que os três partidos estejam comprometidos com a própria governação.

2 comentários:

António Oliveira disse...

Muito bonito, eu que sou de centro - direita adorava que isso acontecesse, mesmo...deveria participar todos no Governo, só assim existia a tão propalada estabilidade, embora liderada pelo perdedor mor !!

Ricardo António Alves disse...

O perdedor-mor foi quem perdeu a maioria parlamentar e, por causa dessa falta de confiança popular, não conseguirá governar. É assim que funciona nos países civilizados. O resto é conversa para adormecer meninos.