terça-feira, maio 23, 2017

o pior e o melhor na peregrinação do Trump (até agora)

O pior: na meca do terrorismo, e sem vergonha, ataca o Irão, que ao pé da Arábia Saudita é um baluarte da democracia.
O melhor: mulher e filha em cabelo, no reino de Salmão; o epíteto loosers, aplicado aos indigentes que se fazem explodir. Tem razão o Trump: chamar-lhes monstros, assassinos ou coisa parecida, são medalhas para eles; falhados quadra melhor com a natureza dejectória destas subcriaturas.  

6 comentários:

Jaime Santos disse...

Discordo, enquanto lumpen do sistema (olhe-se para a carreira de pequenos criminosos da maioria dos jihadistas ocidentais), estes indivíduos eram de facto falhados. A sua imolação tem também o carácter simbólico de fazer deles, aos seus próprios olhos e dos seus camaradas, soldados do Profeta, logo vitoriosos. Tudo isto é obviamente demencial, mas até aqui Trump é incapaz de perceber que o sucesso está longe de ser apenas material. E ao não perceber isso desvaloriza a coragem (uma virtude moralmente neutra, como lembrou Susan Sonntag) desta gente. O desprezo pelas capacidades do inimigo é normalmente uma muito má estratégia...

Ricardo António Alves disse...

Eu tenho dúvidas se se trata de coragem, uma vez que há doses industriais de lavagens cerebrais, que jogam com as frustrações, e as debilidades destes tipos, normalmente segundas e terceiras gerações de imigrantes.
Quanto às capacidades do inimigo elas só são efectivas com as cumplicidades ou jogo duplo dos amigos, sauditas, catarinos, turcos, etc.
Mas claro que é uma tirada do oeste selvagem, mas, apesar da prosápia, uma boa tirada.

Jaime Santos disse...

Lembra-se do 'bring them on!' do idiota do Bush filho? Era outra tirada à Texas e ele pelo menos foi suficientemente inteligente para mais tarde confessar que se arrependeu do que disse. Concordo que chamar monstros a estes dementes já é dar-lhes uma dimensão que eles não têm e refiro-me aos mandantes, não àqueles que se fazem explodir (e justamente a lavagem cerebral funciona porque eleva um frustrado e falhado zé-ninguém à condição de soldado do Profeta), mas parece-me que perante tal barbárie a melhor postura é a da dignidade fria e com muita raiva contida de uma Theresa May...

Ricardo António Alves disse...

Sim, os mandantes, porque em relação aos outros normalmente não dizem como é o paraíso.

Jaime Santos disse...

Sim, é divertido pensar que Bin Laden teria pornografia em casa... Si non e vero...

Ricardo António Alves disse...

...é bem visto.