quinta-feira, dezembro 28, 2017

estampa CCLXXXI - Rembrandt


Auto-retrato (c. 1628)

música para. salvar o ano: #4 CULPA DO AMOR (Mallu Magalhães)

Às vezes a paz fica-nos tão mal.
António Miranda

quarta-feira, dezembro 27, 2017

domingo, dezembro 24, 2017

sexta-feira, dezembro 22, 2017

tudo mais interessante

Nas eleições mais participadas de sempre, maioria absoluta dos independentistas catalães, com os seus líderes no exílio e na prisão; pulverização do PP -- 3 deputados 3 --, com voto útil do espanholismo franquista no Ciudadanos, resultados medíocres de PS e Podem, com posições intermédias quanto à questão da soberania, e provavelmente divididos internamente.
A seguir: reacção de Madrid, Rajoy e Felipe VI, derrotados em toda a linha -- a tradição manda esperar o pior; movimentações de Puidgemont, o verdadeiro vencedor das eleições; e, em face das configurações do tabuleiro, a acção da UE, e, em particular de Portugal -- também aqui a tradição autoriza o pessimismo.

quinta-feira, dezembro 21, 2017

Preferes o risco de cair, / Ir à lama e sujar o teu melhor casaco. 
Rui Almeida

quarta-feira, dezembro 20, 2017

«A Roda Gigante»


Woody Allen pegou num shaker, meteu-lhe Tchékhov, Arthur Miller e Ingmar Bergman, mais uns pós de Woody Allen, e serviu um filme de Woody Allen, que se vê e até se gosta, principalmente porque Kate Winslet é memorável.


segunda-feira, dezembro 18, 2017

sexta-feira, dezembro 15, 2017

criadores & criaturas

imagem

Mort Walker, Dick Browne e Hi & Lois (Zézé)


quinta-feira, dezembro 14, 2017

televisões, seitas, arrivistas e restante escória

É o sistema circulatório duma sociedade livre e tendencialmente democrática, a liberdade de imprensa. Os canais privados de televisão são uma lixeira a céu aberto; mas, de vez em quando, há que tirar o chapéu à sua informação e aos seus jornalistas. Em dois dias, duas reportagens que escancaram os interiores nauseabundos deste país. 
"Raríssimas". Provavelmente uma excelente instituição a cumprir,  por ausência do Estado, um papel necessário. A circunstância de ser dirigida por uma arrivista que se sabe mexer -- como todas as ridículas criaturas deste jaez --, não põe em causa as ipss no seu todo. O que mostra é, duplamente, a ausência do Estado: na existência de um serviço público que preste esse serviço, e na fiscalização do funcionamento dessas entidades, que dão imenso jeito para a canalha do bloco central dos interesses se ir amanhando.   
"Iurd". Chegam-me ecos, que não tenho estômago para acompanhar (se as religiões formais já me suscitam as maiores reservas, as seitas provocam-me repugnância física). Sobre o assunto, digo apenas que iurdes e organizações do mesmo calibre são associações de banditismo que funcionam nas nossas barbas, a coberto de noções de banda larga de liberdade religiosa. Sendo associações de malfeitores, deveriam ser perseguidas e fechadas.
Aliás, seitas e televisões, mais o espertalhões que as controlam, servem-se hipocritamente dos conceitos benignos de liberdade (de imprensa, religiosa, etc.) para encherem os bandulhos e conspurcarem o espaço público, contando, obviamente com uma teia de cumplicidade que vai do interesse inconfessável à cobardia política, e para os quais contam com a passividade geral e a idiotia do costume. 

50 discos: 42. TAMBÉM EU (1982) - #5 «Alcateia»



terça-feira, dezembro 12, 2017

[...] essa espécie de beleza / arruinada / onde a vida encontra o espelho mais fiel.
Rui Pires Cabral

uma carta de Camilo Castelo Branco

Dadas à estampa por um seu neto, Luís Norton, as cartas de Tomás Mendes Norton a Camilo versam sobre uma hipotética fantasia de o mosteiro medieval de Refojos do Lima dever o traço do seu restauro e as linhas de alguns azulejos respectivamente a Bramante e a Rafael, por intermediação do Cardeal Alpedrinha, D. Jorge da Costa, grande figura da Igreja Católica. Essa atribuição, contestada pelo organizador deste voluminho de uma dúzia de missivas de Camilo, não obteve acolhimento posterior, sendo atribuídas as ousadas propostas pelo descendente a um espírito peculiar composto por romantismo tornado obsessão, que levaria o proprietário à ruína, não se ocupando de qualquer outra coisa que não fosse a comprovação dessa sua teoria, publicando, em 1888, uma obra, vertida para o francês: Études sur les Oeuvres d'Art de Raphael Sanzio d'Urbino au Monastère de Refojos do Lima. A esta ideia, ao que parece mirabolante, dará Camilo, amigo do pai do correspondente, todo o lastro. (aqui)

segunda-feira, dezembro 11, 2017

domingo, dezembro 10, 2017

criador & criatura


Raymond Macherot e Clorophylle (Clorofila)


quinta-feira, dezembro 07, 2017

estampa CCLXXVII - Manuel Benedito


Cooperação Estruturada Permanente -- pescamos pouco disto, mas não devíamos

A PESCO, ou Cooperação Estruturada Permanente, em burocratês europeu. No descaso geral, e o que parece ser um amadorismo (ou leviandade) preocupante do governo e o voluntarismo do PR em fazer parte do pelotão da frente na constituição de um exército europeu em embrião, levanta as maiores dúvidas e preocupações.
Portugal -- que daqui a onze anos completará nove séculos de existência (Batalha de São Mamede, 1128) -- tem, no que respeita à política externa, três esteios a que não pode e/ou não deve fugir: a Geografia, a História e a Cultura.
Na Geografia, somos um país europeu de fachada atlântica e influência mediterrânica, e o estado no Velho Continente com as fronteiras definidas há mais tempo. As nossas prioridades e os nossos interesses geopolíticos permanentes (e aqui, à Geografia soma-se a História) serão sempre os nossos vizinhos: Espanha e Estados Unidos da América (e, por extensão, a Inglaterra), a Bacia do Mediterrâneo, em particular Marrocos, o Brasil e África de expressão portuguesa. Finalmente, por coerência cultural e opção civilizacional, pertencemos a um vasto complexo político e institucional que dá pelo nome de União Europeia, que tendo as suas implicações, não deve comprometer os vectores de política externa referidos.
Ora para quem como eu, foi e é, um defensor da União Europeia e do seu aprofundamento confederal, já não pode encarar com a mesma inocência de outrora, desde a crise das dívidas soberanas e do comportamento da Alemanha (pela acção) e da França ou da Itália (pela inacção), os riscos de construir mais uma vez pelo telhado um edifício de defesa comum sem garantias institucionais que têm de passar por patamares de poder e decisão de configuração confederal. 
A história recente tem mostrado que na política da UE  tem prevalecido a lei do mais forte, e por isso corremos o risco de sermos arrastados para conflitos em que os interesses não são os nossos, como sucedeu na Ucrânia, uma fraude arranjada pela Alemanha e amigos próximos, e na qual a Rússia mostrou não estar pelos ajustes -- e bem, do seu ponto de vista, e já agora do meu também.
Portugal, país europeu de dimensão média, tem, pois, a espessura de uma longa História e de uma forte identidade, e deve agir de acordo com ela. Que um assunto desta magnitude esteja a ser tratado politicamente em cima do joelho, isso sim, é um erro histórico.   

quarta-feira, dezembro 06, 2017

50 discos: 39. PERMANENT WAVES (1980) - #5 «Different Strings»



"Como és belo, meu Portugal"*

Não se admirem, por favor; quanto aos Painéis, quando Joaquim de Vasconcelos, na companhia de Ramalho Ortigão, deu com a obra de Nuno Gonçalves, em S. Vicente de Fora (que haviam já sido assinalados pelo monsenhor Elviro dos Santos), aqueles foram salvos de servirem como tábuas para andaimes, ou coisa que o valha. O Forte de Santo António, nem é tanto por lá ter caído o velho Botas, mas a memória da Restauração e da independência nacional que representa a quase totalidade das fortificações marítimas, mandadas erigir por D. João IV, para prevenir uma invasão espanhola, semelhante à do Duque de Alba, em 1580 -- função simétrica, aliás, às dos castelos da raia.
Coisas que não interessam nada a quase ninguém. É o tal défice de que falava Costa.



(* Luís Cília)

terça-feira, dezembro 05, 2017

estampa CCLXXVI - Lado Gudiashvili


Demónio Raptando uma Beldade (1943)

RIFF RAFF

segunda-feira, dezembro 04, 2017

o défice de conhecimento

Tenho escrito, recorrentemente, que o atraso português -- que só começou a ser invertido há pouco mais de quarenta anos, com o 25 de Abril --, serve ainda de explicação para a ausência de massa crítica que caracteriza uma boa parte da nossa comunidade. E não chega culpar o Salazar; este herdou o país que herdou: despovoamento e exaurimento populacional do território com a aventura da Expansão e Descobrimentos, Inquisição, invasões napoleónicas que desestruturaram o país, uma guerra civil sangrenta, a substituição dum corpo dirigente imobilista por um conjunto de arrivistas e devoristas, que viram chegar a sua vez de se saciar com a nação e os seus bens. Salazar é culpado, sim, não tanto por ser um produto genuinamente nacional de conservantismo, mas por ter afinado uma sociedade policiada (a pide, sim a pide, e os milhares de informadores que ainda se cruzam connosco na rua, ou existiram nas nossas famílias, amigos ou vizinhos), com o objectivo primeiro de se conservar no poder. Ao fim de quarenta anos, os indicadores civilizacionais melhoraram, pudera, mas, em 1974, não deixavam de nos envergonhar a todos. Isso explica, em boa parte, a consabida pobreza das elites no presente, e não apenas políticas. António Costa está, por isso, cheio de razão, 43 anos após a Revolução, ao identificar o nosso principal défice . A seguir a 1974, houve que democratizar o ensino, como todos os custos de nivelamento por baixo que tal implicou; o que importa no presente é continuar a elevar o nível da escola pública e, acima de tudo, o sentido crítico. Com uma filha no 9.º ano, o último do chamado Ensino Básico, vejo um programa bem nutrido nas ciências e indigente no Português e na História, e temo que vá piorar no secundário, a exemplo do que sucedeu com os seus irmãos, com a secundarização das Humanidades. O melhor que uma escola pode dar aos seus alunos é ensinar a pensar e, como ontem disse o PM, a gostar de aprender. Mas isso só será possível com professores que saibam pensar e gostem de aprender, para além de ensinar. Ainda estamos mal, nisso.   

estampa CCLXXV - Kazimir Malevich


Estudo para Retrato de Camponês