sexta-feira, agosto 30, 2019

JornaL

Boris Johnson. Chico-esperto. E, pelos vistos, a monarquia não serve para nada, Só não torço para que ela acabe porque assim deixaria de ver todos os dias a Kate Middelton, normalmente na secção das notícias estúpidas, como esta, de onde tirei a fotografia; mas tratando-se de uma mulher incrivelmente bela, quero lá saber. E antes uma foto dela do que deste PM que arrisca ser defenestrado.
Carlos Moedas. Parece que era o primeiro a levar a cacetada dos zombies da troika, no tempo de Passos Coelho. Não sei que papel teve no PSD quando este chumbou o PEC IV -- depois da comédia do leite achocolatado -- que nos entregou nos braços da dita troika; espero que não tenha esse cadastro. Amadureceu muito, e esteve bem durante a Geringonça, ao contrário de vários dos colegas de partido.
Chacais. Aqueles que já andam a enviar mensagens odientas aos pais da miudinha do medicamento de dois milhões.
Elisa Ferreira. Muito bem, claro.
Extinção. O Ministério Público pede a extinção do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas. Talvez fosse de pedir também a extinção do MP e fazer outro no seu lugar, com um Conselho Superior só constituído por trabalhadores. Gostava de lá ver, por exemplo, as peixeiras da lota de Cascais -- muito melhor figura.
Iberdrola. O Governo declarou de "imprescindível utilidade pública" a construção de duas barragens no Tâmega, a cargo da Iberdrola. A Quercus diz que um dos ecossistemas mais importantes do país vai ser abatido.  Depois do atentado em Alcochete, outro crime ambiental em perspectiva. Amazónia, não é?....
Partidos. É normal que gastem dinheiro em propaganda, comícios, espectáculos e até em brindes. Em agências de comunicação, enoja-me.
Polanski, grande Polanski. Terá sido um porco, mesmo bêbado e com uma mãe a pôr-lhe a filha adolescente a jeito. Nem há desculpa, nem é admissível uma perseguição eterna. Há quantas décadas isso foi? Não se retratou?; a vítima não lhe perdoou já?; o longo período em cativeiro na Suíça sem saber se seria extraditado para aquele país em que é perseguido por um juiz injusto, e certamente punheteiro, não foi já calvário suficiente? Não, claro que não, para estes inquisidores de meia-tigela. Mas ele aí está, e a fazer grande cinema. A propósito: a sua mulher e grande actriz é Emmanuelle Seigner. Seigner, mulher de Polanski há mais de trinta anos, declinou um convite para pertencer à academia de cinema de Hollywood, feito, aliás, depois de expulsar o marido. Onde estão os maus, os perversos?

terça-feira, agosto 27, 2019

«Leitor de BD»

Sobre Arlindo Fagundes e Hergé

segunda-feira, agosto 26, 2019

tira-se o chapéu a Macron (e a Putin)

por facilitar um diálogo de que ambos, Estados Unidos e Irão, precisam e querem. Que significado tem? Que o governo israelita e os falcões americanos estão em perda? Que o realismo venceu? É possível. O desencadear de uma guerra ali é perigosíssima, e uma das primeiras vítimas seria Israel, até porque não estou a ver muito bem (apesar da cumplicidade da Arábia Saudita com os americanos), como reagiriam a Turquia e, principalmente, a Rússia ao aniquilamento do Irão, com quem fazem fronteira.  

sábado, agosto 24, 2019

um elogio (e não é por causa do Salazar, embora também por isso o mereça) à Câmara de Santa Comba Dão

A pintura à esquerda integra um conjunto de seis grandes telas da autoria do enorme Columbano Bordalo Pinheiro, muitas vezes vislumbradas nos telejornais, pois está nos Passos Perdidos, na Assembleia da República, Da esquerda para a direita: Mouzinho da Silveira, Duque de Palmela, Duque de Saldanha e José da Silva Carvalho. Este, que também é natural de Santa Comba Dão, fundador do Sinédrio e um dos líderes políticos da Revolução de 1820, foi, em minha opinião, bastante mais importante para a História de Portugal do que Salazar. E a Câmara local está a celebrá-lo, culminando, no próximo ano com o bicentenário do vintismo, a mais transcendente revolução da nossa contemporaneidade, e de que o 25 de Abril representa uma espécie corolário. Um exemplo, pois, que deveria ser seguido -- o que talvez seja esperar demasiado dum país sem política cultural.

quinta-feira, agosto 22, 2019

que fazer com o Salazar? (com adenda)

O Salazar só me lembra coisas que detesto: primeiro, a manha da conservação do poder; depois: pobreza, pide, missas, bufos, censura, colonialismo e atraso, moral e mental, do povo, que ainda estamos a pagar. 
Museu sobre Salazar em Santa Comba Dão? Um museu tem critérios. Se eles se verificarem -- existem regulamentos para tal. Não faço ideia dos critérios da câmara do sítio, para além do centro interpretativo (palavras da moda, como curadoria e outras). Espero que haja massa crítica para que aquilo não seja um santuário, com venda de pagelas bentas do santinho, nem redunde na mostra do penico do Salazar numa caixa acrílica -- mas nunca se sabe.  Tem bom remédio, porém: vá à universidade, Coimbra, ali perto, ou outra, e se quer fazer coisa séria, convide-a para parceira no delinear de um projecto e coordenação, e com isso mata o assunto.
Goste-se ou não, o Salazar governou este país durante quarenta anos. Foi, portanto, um dos homens que mais o influenciou, em quase nove séculos, que é o tempo que já levamos disto. A sua terra lembrá-lo -- agora, ontem, daqui a vinte anos -- é uma inevitabilidade, e pode fazê-lo bem, criticamente, ou não. Mas nesse caso já não será um museu. O que sempre me irrita são os activistas do costume (ponho de lado os antigos presos políticos) disfarçados de historiadores e cientistas sociais (oh...) a descabelarem-se em abaixo-assinados no facebook, tudo tão pequeninamente miserável e reles...

Adenda: entretanto fiquei a saber - e já poderia sabê-lo se tivesse consultado o sítio da CM de Santa Comba Dão, que o projecto está a ser coordenado pelo Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da U. Coimbra, o que assegura toda a fiabilidade do projecto. Parabéns, pois, à CMSCD.

Adenda 2: esta conversa liga-se à "Questão dos Descobrimentos", em que mais uma vez se mostra  a farsa intelectual veiculada por ideólogos travestidos de historiadores e afins.

não sei se náusea ou vontade de rir

Porquê decretar serviços mínimos durante uma greve numa companhia aérea irlandesa de baixo custo, conhecida pelas maravilhosas condições que proporciona aos seus trabalhadores -- ou colaboradores, se quiserem em dialecto sonso-estúpido e analfabeto?
Não há outras companhias aéreas alternativas, a começar pela TAP?
Que precedentes são estes num governo que se diz de esquerda, não sei se náusea ou vontade de rir?
Quando a direita voltar ao poder, se calhar mais cedo do que se pensa, já tem o caminho aberto e à vontade para fazer o que lhe vai na alma, e nunca teve coragem para tal.

A esquerdice deve estar no comunicado, gastando tinta, tempo, espaço e a paciência dos outros quando se refere aos cidadãos e às cidadãs (arre, que miséria!) 
Ena pá, é tão de esquerda, cidadãos e cidadãs, avião e aviã, a cona da mãe e o cono do pai; agora pessoal a lutar para ter 22 dias úteis de férias e outras merdas sem interesse nenhum, isso é que não pode ser.

O que andaríamos a chamar agora ao Passos Coelho?

terça-feira, agosto 20, 2019

«Leitor de BD»

sobre Takashi Murakami e Hergé

domingo, agosto 18, 2019

vozes da biblioteca

«Para estar de acordo com o horário dos trens devíamos chegar às oito horas e alguns minutos à estação, e estou certo de que assim teria acontecido se não fosse o folgado e paciente atraso de duas horas e meia, que tivemos de aturar dentro dos compridos wagons de primeira classe, nada inferiores ao cárcere duro. Coelho Neto, A Capital Federal (1893)

«Para mim, João Jorge nasceu na noite em que o mataram, nas hortas a caminho da Vila Chã.» Bruno Vieira Amaral, Hoje Estarás Comigo no Paraíso (2017)

«Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu.» Machado de Assis, Dom Casmurro (1900)

quinta-feira, agosto 15, 2019

a crise energética, como eu a leio

De férias e sem televisão, e só agora com net no domicílio estival, não tenho visto tudo sobre a greve; mas o que li nos jornais e ouvi na rádio possibilitam-me escrever o seguinte:

1. O que parece incontroverso: o descontentamento elevado dos motoristas de pesados, em especial os das matérias perigosas, daí a forte adesão a esta greve.

2. Ordenados mínimos para estes trabalhadores, com extras pagos por baixo da mesa, de acordo com as notícias; ou seja: em baixa médica ou reforma, o trabalhador vence pelo mínimo. Além disso, fuga aos impostos por parte dos patrões.

3. Ao anunciarem uma greve por tempo ilimitado,  os dois sindicatos estão a dar um passo maior que a perna. Obviamente que o estado não pode ficar de braços cruzados em questões estratégicas. Crítica ainda aos sindicatos, por darem pretexto ao governo por exercer a maior limitação alguma vez vista ao direito à greve.

O que me leva à questão política: o PSD tem razão quando denuncia a dramatização do governo; no entanto essa oportunidade foi concedida de mão beijada a António Costa pelos sindicatos grevistas, não só porque a greve é impopular (a maralha está sempre pronta a reclamar, mas, quando mexem com os seus interesses, endossa sempre a autoridade), como ainda não se apagou da memória a nódoa dos fogos de 2017, de que obviamente não foi o principal 'culpado', mas não se pode eximir à responsabilidade pela actuação da Protecção Civil.

A forma como se procurou matar a greve no ovo foi um golpe de génio, dirão alguns. Sim, temos um primeiro-ministro que é um habilidoso, um verdadeiro artista, como diria o outro; mas estas habilidades são dispensáveis e lesivas de uma vida democrática sã. Não é porém de agora, nem deste governo, mas não deixa de ser nauseante assistir ao cerceamento de um direito fundamental por parte do executivo da Geringonça. Não há-de a direita estar desorientada e em decomposição...

Verifico que é um sindicato da CGTP que esvazia a greve. E talvez com ganhos de causa, o que lhe dará alguma razão. Isso os especialistas dirão. Mas não deixa de ser curioso.

Finalmente, não tenho opinião formada sobre Pedro Pardal Henriques. Está na linha de fogo, inevitàvelmente. Se, como por aí se diz, vier a tornar-se candidato às legislativas por um partindúnculo qualquer, mostrará que não passa de um aventureiro e um espertalhão. No entanto, merece o benefício da dúvida, como qualquer pessoa. A circunstância de ser filho e irmão de motorista, também não é indiferente. Mas, centrar o problema neste indivíduo é querer fazer dos outros parvos, pois a questão essencial, com ou sem Pardal Henriques, está lá em cima, no ponto n.º 1.

P.S. (21-VIII): a candidatura confirma-se, por um partido sem credibilidade. São dois descréditos em um.

segunda-feira, agosto 12, 2019

«Leitor de BD»

Sobre André Oliveira e Joe Musial, no jornal i

terça-feira, agosto 06, 2019

criadores & criatura



Eddy Pappe, Greg e Luc Orient


segunda-feira, agosto 05, 2019

«Sympathy For The Devil»

«Leitor de BD»


Sobre José Ruy, Daeninckx & Tardi, no i.

vozes da biblioteca

«Experimento um prazer em saborear este sol e este cheiro infantil, a carteira, o giz, o quadro.» Antoine de Saint-Exupéry, Piloto de Guerra (1942) (trad. Ruy Belo)

«Ora, se há coisas que as mulheres de sociedade desejam ver, e encontravam-se ali mulheres de sociedade, é o interior dessas mulheres cujas carruagens salpicam de lama as suas, diariamente, que têm, como elas e ao lado delas, um camarote na Ópera e nos Italianos, e que exibem, em Paris, a insolente opulência da sua beleza, das suas jóias e dos seus escândalos.» Alexandre Dumas, Filho, A Dama das Camélias (1848) (trad. Sampaio Marinho)

«Teriam ambos quarenta anos, mas as linhas angulosas das suas feições denotavam energia, mais acentuada ainda pela barba espessa e hirsuta.» Emilio Salgari, O Corsário Negro (1898) (trad. A. Duarte de Almeida)

sexta-feira, agosto 02, 2019

quinta-feira, agosto 01, 2019

erotica


Marisa Papen, por Laurent Masurel