quarta-feira, novembro 28, 2018

feias, porcas e más: as televisões privadas como retretes públicas, das antigas, ou saudades da RTP do tempo do fascismo

A sic e a tvi são detentoras de uma concessão, por parte do Estado, ou seja, de todos nós, do sinal de emissão do serviço de televisão. Mais de 90% da programação daquelas estações é má ou muito má. A informação da tvi é superior à da sic; esta tem um grande momento aos sábados, ao fim da manhã, com a transmissão dos documentários da BBC sobre vida selvagem. Quanto ao resto, concursos, telenovelas, parvoíces. Mesmo os canais informativos são pobres, salvam-se alguns programas de debate ("Quadratura do Círculo" e "O Eixo do Mal" na sic; "Prova dos Nove" e "Governo Sombra" na tvi). É muito pouco. 
Mas o que me espanta, perante a indiferença geral, é o à-vontade e a impunidade com que ambas as estações generalistas poluem o espaço público com inanidades e badalhoquices, dos talk shows matinais, em que apresentadores idiotas expõem ao voyeurismo mais grosseiro os infortúnios deste e daquela, até à promoção da mais vulgar boçalidade com os "Casados de Fresco" ou o "Love on Top", -- enfim o esterco despejado em casa das pessoas, quantas vezes com a justificação cínica e vigarista de que é daquilo de que elas gostam (ou até precisam...).
Não falo na cm-tv, a mais ampla cloaca comunicacional, pois está no cabo, e aqui, outros problemas se levantam. O que mais me incomoda, embora não me espante, é a passividade do Estado diante do oportunismo descarado dos operadores, da falta de ética e doutro critério que não seja o de gerar lucro, lançando mão de tudo o que lhe for permitido. 
E pergunto: mas por que diabo devemos nós, e connosco o estado português, que atribuiu as concessões a estes operadores, contribuir para encher os bolsos aos donos e accionistas da sic e da tvi, cuja contrapartida pelo bem público de que se servem é o de espalhar os seus dejectos comunicacionais pelas casas dos portugueses e pelas nossas ruas, através dos painéis publicitários?

Ainda sou do tempo em que as casas de banho públicas das estações da CP do Cais do Sodré e do Rossio eram um antro de porcaria, iam para lá os que gostavam de chafurdar ou os incautos que desconheciam o ambiente. Que haja quem queira fazer televisão com o nível de wc público de país incivilizado, é um problema seu; mas que beneficie do Estado, para o fazer, e que o mesmo Estado contribua, pela inacção, inconsciência, cobardia, para esta caca, isso é que é indesculpável.
Não sei quando se extinguem os prazos das respectivas concessões, mas aqui é que era uma boa oportunidade para a ministra Graça Fonseca introduzir um bocado de civilização, civilidade e civismo nestas pocilgas, ou retirar-lhes a licença para degradar.

6 comentários:

  1. O que me custa, mesmo, é ver que a RTP1 também vai pelo mesmo caminho...

    ResponderEliminar
  2. Poderia e deveria ser muito melhor, mas é do Estado, e podemos sempre responsabilizar as administrações e os governos.

    ResponderEliminar
  3. https://youtu.be/nCYkaZJ7lYw

    Poucas coisas vejo na televisão, a não ser na
    RTP Memória que têm qualidade. Gosto do Governo Sombra,
    porque muitas vezes tem humor que eu muito aprecio.
    Por isso o video que aqui trouxe retrata na perfeição,
    penso eu, a "qualidade" de alguns programas. Se há
    quem veja aquilo deve ser atrasado mental.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que os maiores atrasados mentais não são os espectadores, mas quem os trata como tal, dos apresentadores aos presidentes dos conselhos de administração, a base e o topo desta necrose. E seria até relativamente fácil acabar com isto, se houvesse alguma coragem política e algum bom senso prevalecesse -- o que quer dizer que é impossível acabar com isto, e a degradação irá em crescendo, até que alguma coisa complicada possa suceder.

    ResponderEliminar
  5. Passei a minha infância agarrado à televisão, nesse tempo tínhamos num só canal a informação do regime, a censura e a ditadura, mas eram transmitidas boas séries britânicas, bom cinema, teatro, concertos, havia programas sobre poesia (David Mourão Ferreira) sobre livros (Manuel Poppe), sobre Música (João de Freitas Branco) e desenhos animados de muita qualidade, mais o Walt Disney. É certo que havia ainda as touradas e o futebol, mais outras coisas chatas, mas culturalmente batia por KO. as actuais programações dos nossos canais. É triste chegar a esta conclusão):
    Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  6. Por KO, meu caro, por KO -- e isso é que é triste.

    ResponderEliminar